O que podemos aprender com o livro “Me Poupe!”?

Nathalia Arcuri tem conquistado milhares de brasileiros com seu jeito divertido de falar sobre economia, mas será que o livro é tão bom quanto seu canal?

Sim! AAAAAAAAAAAA, que festa!

via GIPHY

Eu acompanho o canal, já assiste aos vídeos dela algumas vezes e o livro é o tipo de livro que você precisa ter na cabeceira e sempre dar uma lida para lidar com os monstros das crenças limitantes e dos vícios que nos cercam.

O livro “Me poupe!” traz uma leitura divertida, então não espere uma linguagem diferente do que ela fala no canal, no começo do livro mesmo ela já fala que fez o livro justamente para levar informações, exercícios práticos e não pra ganhar nenhum prêmio literário.

Passado essa informação e lendo com a mente aberta, você consegue absorver muita coisa prática para ser implementada em sua vida.

Aconselho a você ler o livro, ir fazendo os exercícios e não continuar lendo sem antes fazer que ela propõe, justamente para que você tenha mais insights e mude algo realmente na sua vida financeira.

Enquanto eu estava lendo, eu parava, fazia os exercícios ou refletia sobre algo que ela tinha apontado e depois continuava, é algo interessante a se fazer.

Segue algumas coisas que podemos aprender com o livro “Me Poupe”:

  • O que o dinheiro significa para você?

Já citei em alguns textos sobre crenças limitantes e a Nath traz essa questão de maneira bem interessante.

A maioria das pessoas tem algum tipo de crença limitante, referente ao dinheiro, pois o dinheiro é algo presente na nossa vida desde sempre. Na infância, recebemos mensagens sobre ele, muitas vezes, negativa, o que consequentemente nos deixa com um significativo ruim do que é o dinheiro.

Pense agora: O que dinheiro significa para você?

Muitas respondem essa pergunta e relacionam seu dinheiro com escassez e isso é preocupante e pode ser a resposta para muito dos seus perrengues.

A Nath fala bastante dessa questão no livro, justamente porque é essencial observarmos o significado que as coisas têm para nós para ressignificá-las.

 

  • Os caminhos que você precisa abrir para ser quem você quer ser e ter o que precisa.

O que você tanto quer para sua vida?

Agora, seja sincera:  O que você está fazendo de verdade para tê-la?

Essa questão foi algo que me deixou bastante satisfeita no livro, pois era algo que eu não esperava que ela contaria, então acabou me marcando bastante, justamente por eu também estar passando por essa transição de colocar o Desperta, Mulher! no mundo.

Em várias páginas, a Nath conta como foi sua transição de carreira e como ela teve que abrir alguns caminhos para que ela conseguisse o que queria.

Vendo a história das pessoas, quando elas já estão no topo, nos dá uma sensação de que foi fácil, de que tudo veio num piscar de olhos e não é assim.

Eu costumo pensar muito nas escolhas que eu faço e podemos ver no livro o quanto essas escolhas foram essenciais para a Nath ser quem ela é hoje, isso falando tanto do fato de ela ser empreendedora, tanto da relação que ela tem com o dinheiro hoje.

Quais escolhas você tem feito para chegar onde você quer chegar ou para ter a vida que você quer ter?

 

  • A importância de dizer NÃO

Não” é uma palavrinha mágica, automaticamente, ela nos traz uma conotação negativa, mas não precisa ser assim.

Se propor a falar ela mais vezes, pode te abrir portas e fazer você poupar e valorizar mais seu dinheiro.

Eu sempre tive muita dificuldade de falar Não pela questão de socialização para não parecer a “chata”, mas comecei a perceber que falando não, eu estaria me impondo mais e valorizando quem eu sou e as metas que eu tenho para serem atingidas.

Ainda tenho certa dificuldade, mas a Nath deixa claro o quanto esse aprendizado é importante para conquistarmos nossa independência financeira.

 

  • O que você tem feito com seu dinheiro?

Um dos principais motivos da Nath ter começado o “Me Poupe!” foi para tirar as pessoas do vermelho fazendo-as repensar sobre o que é dinheiro para elas, mas principalmente, por ver o quanto muitas mulheres acabam ficando em casamentos infelizes por anos por dependerem financeiramente de seus maridos.

E se você pensou que está livre, por não ter marido, não creio que seja bem assim, pois o que pode acontecer é sermos infelizes por conta de nós mesmas, sermos nossa principal vítima.

Torramos nosso dinheiro e deixamos as metas mais importantes para segundo plano.

Isso me fez refletir a maneira pela qual tratei meu dinheiro em todos os meus anos de vida, como eu falei no insta na semana passada, quando eu era criança a relação com o dinheiro aqui em casa, sempre foi complicada.

Nunca tive uma educação financeira em casa, nunca tive poupança e lembro de vários perrengues que minha família passava e acredito que isso pode ter refletido na minha adolescência de forma negativa e agora de forma positiva por não querer passar mais por algumas situações.

Conhecer a Nath e ler o livro foi importante para que eu fizesse esse tipo de questionamento, pois eu vejo pessoas gastando com coisas totalmente desnecessárias, porque aparece aquele pensamento “Ah, eu mereço!” (inclusive, essa era a desculpa que eu mais usava na vida para gastar com coisas que não eram minhas metas!).

Você merece sim, merece uma vida com conforto, merece chegar aonde você quer chegar, conquistar seus sonhos.

Se você não começar a se preocupar como gasta seu salário agora, pode ser que quando chegar o amanhã, você esteja no mesmo lugar.

E aquela blusinha que você comprou para te satisfazer momentaneamente, não seja o bastante para te fazer feliz a vida toda!

“Ah, mais é só uma blusinha!”

Quantas blusinhas você já comprou, porque era só uma blusinha?

Quantos 20 reais, você já não gastou, pois eram somente 20 reais?

Eu estou fazendo mais essas observações no meu dia-a-dia, pois vejo que elas são importantes para conquistar metas à longo prazo e principalmente para ter uma certa liberdade financeira, não vou dizer que já estou livre da dinheirofobia, dos gastos desnecessários (coach também tem suas questões ).

Eu acredito na observação e na presença para melhorar todos os âmbitos de nossa vida e observar a maneira como usamos o dinheiro é muito importante para que possamos ter uma vida melhor.

O livro é um amor, um presente, é aquele que você termina e quer ainda mais.

Eu indicaria pegar emprestado como primeiro ato de economia financeira, mas esse livro você precisa ter do lado para quando você fraquejar e quiser gastar com muitas coisas desnecessárias e esquecer as suas metas.

Gratidão à Nathalia Arcuri por esse propósito tão lindo que você tem colocado no mundo, espero de verdade que muitas pessoas cheguem a você e mais do que isso, que coloquem todos seus ensinamentos em prática.

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *