má escolha e emoções…

Sempre gostei de escrever diários e textos reflexivos seja sempre sobre mim mesma ou sobre alguma coisa que vi na sociedade e que me fez refletir.

Tinha até um blog que se chamava Um mundo quase particular (nossa, deu até uma dejavú aqui), mas o tempo foi passando, eu fui crescendo e fui deixando isso de lado.

Deixei minha escrita também de lado e só vim voltar a escrever em 2016 no Felicidade Sustentável e no Quero Evoluir e agora no Desperta, Mulher, mas agora os textos são diferentes.

Assistindo o filme Como superar uma fora fiquei com saudade de escrever textos mais pessoais sobre minha própria vida ou sobre minhas próprias reflexões até mesmo como uma forma de auto-analise.

E pensei: Por que não fazer isso no projeto que hoje é a minha vida.

Não quero passar a imagem que sou a super poderosa, então talvez esses textos façam você conhecer mais sobre mim e faça com que reflitamos juntos sobre alguns assuntos de igual para igual.

Sem muitas dicas práticas como nos outros textos, até porque provavelmente eu que estarei escrevendo as dúvidas hahaha

Hoje, minha reflexão é sobre escolhas ruins. Estou num dilema com meu celular, pois ele quebrou e eu decidi arrumar mesmo sabendo que ele já tava com os dias contados. Conclusão: Não adiantou!

Ou seja, escolha ruim.

Fiquei frustrada e me senti mal por ter algo mal resolvido atrapalhando minha rotina. Pois primeiro que o celular faz parte da minha rotina, do meu trabalho, segundo, que indo para assistência perco horas, horas e horas que poderiam estar sendo melhores aproveitadas.

Não me sinto estressada, quando estou na assistência, estou neutra.
Com uma neutralidade de causar inveja para quem está na assistência querendo descontar em qualquer pessoa que estiver pela frente. Aham!

O veredito da assistência? Meu celular ta ótimo!

Eu olhei para cara da atendente e nem sabia o que falar pra ela.
Pensei no dinheiro investido no conserto, no tempo que eu fiquei lá tomando um chá de cadeira terrível. Na real, eu só queria chorar de nervoso, pois, realmente, ela não tinha culpa que o celular desligou na minha frente, mas na frente dela não.

Sempre fico naquela de saber que tudo que acontece é porque tem que acontecer.

Mas quando ouço o veredito, vem um momento de frustração, que você não consegue pensar que não é nada, não consegue nem ficar pensando em soluções. É seu ego que ta tomando conta, pois é seu ego que te tira do presente e faz você sofrer desnecessariamente.

Então, eu faço o que eu poderia ter feito, coloco o celular para carregar na loja mesmo e testo um pouco para ver se acontece algo para que eu mostre para a atendente. Nada acontece.

Eu não consigo nem pensar em soluções hahah Eu nem sei se vou embora, se fico…Testo mais um pouco e vou trabalhar, pois a vida não espera.

Como se não bastasse, tenho uma reunião a tarde no trabalho e o ego que já está dominando, faz eu pensar que por algum motivo, algo vai acontecer.

É engraçado quando você não está bem, suas emoções tomam conta e nada faz sentido. Digo que nada faz sentido, pois agora saindo daquele momento, sei que não fazia sentido estar pensando em tantas coisas. Quando o que eu precisava fazer, já estava sendo feito que era no caso: nada.

Já dizia o ditado: O que não tem remédio, remediado está!

Depois disso, fui para o trabalho, tive reunião na empresa, meu dia foi ok, mas eu fiquei super introspectiva, pois no fundo, eu só queria que aparecesse alguém, com todas as soluções para os meus problemas, mas eu sabia que só tinha uma solução e a solução era: eu mesma!

Eu mesma encontrar uma saída, eu mesma focar no meu momento presente, pois eu estava no meu trabalho, estava viva, tinha ganhado um chocolate quente (Acho que meu colega de trabalho viu minha cara e sabia que eu precisava de um agrado haha).

O ego adora esses momentos de frustração, pois é como um alimento. Nesses momentos, esquecemos de tudo, não conseguimos pensar em soluções e ele se alimenta ainda mais.

Temos o bastante hoje para sermos felizes hoje. Enquanto eu estava na assistência, li um trecho de um livro que estou lendo que dizia o quanto deixamos o nosso presente para lá, pois estamos muito ocupadas achando que o momento presente só serve como um meio para o fim. Quando na verdade, o momento presente já é o começo, o meio e o fim. Ele é tudo o que temos.


Não sei o que vou fazer em relação ao meu celular. Acabei de ter uma sessão experimental com uma mulher muito incrível e comentamos bastante sobre como ela se cobra e ressoou muito no meu dia, pois querer que tudo dê certo sempre, também é se cobrar.

Às vezes, o celular vai quebrar.
Às vezes, você vai se machucar.
Às vezes, você terá infelicidade dentro de você e ta tudo bem.

Eu falo bastante para minhas coachees sobre a importância da tomada de consciência e é isso que devemos fazer até nos momentos que tentem tirar mais nossa paciência.

Agora já é a noite e ele está aqui desligando sozinho sem parar e eu estou calma, pensando o que eu faço para que esse problema acabe. Estou pensando em soluções.

Bem-vinda de volta, Camila!

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *